PREFEITURA E ARTERIS FARÃO VISITA TÉCNICA ÀS OBRAS DA BR-101

Uma equipe da Prefeitura de Silva Jardim e outra da Concessionária Arteris farão uma visita técnica às obras de duplicação da rodovia BR-101 para verificarem eventuais problemas causados pelos serviços no trecho que a estrada passa pelo Município, na próxima terça-feira (02/03). A inspeção foi agendada ontem (22/02) em uma reunião teletransmitida entre os secretários municipais de Serviços Públicos e Manutenção e de Meio Ambiente, respectivamente, José Luiz Machado e Rafael Badia, além do subsecretário de Governo, Lucas Brito, com o gerente técnico da Arteris, Giovane Zito Gomes. Ocasião em que também foram apresentadas as referidas demandas a serem verificadas. A marcação da visita atende a uma solicitação do prefeito interino Fabrício Azevedo.

Eles vão ver, por exemplo, os riscos de inundações apontados pela comunidade de Boqueirão (Silva Cunha) com a construção do viaduto na entrada do bairro. Segundo os secretários municipais, as manilhas nas quais a concessionária pretende esgotar a água das pistas no local são de diâmetro menor e elas não suportariam o volume do líquido. Eles sugeriram que o escoamento seja feito diretamente num córrego que passa junto ao viaduto no sentido “Sul” da estrada.

Apontaram, também, a falta de iluminação nos “superpostes” colocados pela concessionária nas entradas das localidades de Boqueirão, Caxito, Cesário Alvim, Varginha e Imbaú. O gerente da Arteris disse que verificaria a razão do não funcionamento das luminárias e resolver a questão.

Os representantes da Administração Municipal solicitaram, ainda, que a concessionária ceda o material de “fresagem” (restolho de asfalto) retirado das pistas a fim de utilizá-lo na manutenção de estradas vicinais do Município (cerca de 300 quilômetros). Sobre o material, o gerente técnico orientou os secretários municipais a fazerem uma solicitação por escrito ao Setor responsável pela cessão. Acrescentou que certamente ele será concedido, uma vez que tal material normalmente é doado às Prefeituras da jurisdição na qual ele é retirado.

Falaram, ainda, sobre a preocupação com possíveis inundações que seriam causadas pela ponte sobre o Rio Imbaú o qual, segundo moradores, estaria sendo estreitado. O representante da Arteris explicou que a obra não se trata de estreitamento, mas, sim, de uma “passagem de fauna” aproveitando o leito da ponte, um procedimento, segundo ele, comum e tecnicamente viável.

Os representantes da Prefeitura falaram, ademais, da grande quantidade de barro deixada pela obra do viaduto no bairro Boqueirão o que escorre para os bueiros locais e obriga a Administração Municipal a retirá-lo além de ter que desentupir a rede pluvial. Giovane Gomes concordou que o transtorno é realmente causado pela obra, mas disse torcer para que ela possa ser concluída o mais rápido possível, se comprometendo a trabalhar para que isto aconteça.